background
Quinta, 22 Setembro 2016 16:10

JUIZ FEDERAL CONCEDE “TUTELA ANTECIPADA” QUE SUSPENDE EXAME TOXICOLÓGICO

Escrito por 
Avalie este item
(0 votos)

Os trabalhadores representados pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Transportes de Cargas de São Paulo (Sindcargas), filiado à Nova Central, obtiveram uma vitória 8ª Vara da Justiça Federal, que suspende a realização do “Exame Toxicológico” para os associados da entidade. A “Tutela Antecipada” foi concedida pelo juiz federal, Hong Kou Hen.
Em sua decisão determinar à União Federal, aos órgãos de trânsito, e de fiscalização das relações de trabalho, que se abstenham de exigir do autor e de seus sindicalizados, o cumprimento da Lei 13.103/2015 especificamente quanto à exigência de realização do exame toxicológico para habilitação e renovação da CNH, categorias C, D. E, e a exigência de realização do mesmo exame para admissão e contratação de motorista profissional.

De acordo com o Dr. Arnaldo Donizete Dantas, o pedido para abrir as ações na justiça foi feito pela Nova Central – SP, Confederação dos Trabalhadores em Transportes Terrestre (CNTTT), Federação dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de São Paulo (FTTRESP), Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários e Setor Diferenciado de São Paulo (STERIIISP), Sindicargas e outras entidades, e que, a presente decisão “beneficiará somente os sindicalizados” do autor residentes na circunscrição territorial da 1ª Subseção Judiciária.

Dantas parabenizou o entendimento do juiz por fortalecer a luta contra a norma federal que passou a valer em março, sendo que no Estado de São Paulo a regra, por conta de liminar conseguida pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran/SP),  não estava em vigor, porém, ela foi derrubada no dia 15 de julho, desde então, o exame voltou a ser exigido aos motoristas profissionais com habilitação C, D e E.

“Temos conhecimento que o Detran é contrário a obrigatoriedade do exame. Só no Estado aproximadamente 5,2 milhões de carteiras de habilitação nestas categorias serão afetadas. O órgão estadual argumenta que não há consenso médico sobre a eficácia do teste e também alega que o exame não impediria o uso de entorpecentes por parte do motorista após a renovação e, lembra ainda que, em nenhum outro País do mundo, esse procedimento é adotado, além de aumentar o custo da CNH”, relata Dantas.

 CNTTT



 

Lido 465 vezes